O que Paulo Freire tem a contribuir para o UX?

Ana Flávia
2 min readSep 20, 2021

Hoje 19 de setembro comemoramos o centenário de Paulo Freire, um dos autores brasileiros mais citados internacionalmente no campo da Educação.

Com seus livros, Freire reescreveu o papel do profissional educador. E eu, como researcher e formanda em Pedagogia, não posso deixar de refletir sobre suas contribuições e linkar seus ensinamentos com o meu cotidiano no mundo da Tecnologia.

Mas enfim, o que Educação e Experiência do Usuário tem a ver um com o outro? Existe um diálogo possível?

Sim! Sem sombra de dúvidas!

O educador segundo Paulo Freire, é um investigador de contextos, é o profissional que avalia realidades e cria pontes para o desenvolvimento da autonomia.

Educar é impregnar de sentido o que fazemos a cada instante. Paulo Freire (1980)

Para Paulo Freire, a Educação não pode ser automatizada, ao contrário, deve ser impregnada de sentidos, de conexões e sobretudo, deve ser acessível na forma e no conteúdo.

Qualquer semelhança com o trabalho do UX não é mera coincidência!

Paulo Freire foi um grande promotor da investigação, para que a pratica profissional faça sentido aos educandos!

Nós, profissionais de/em Experiências também temos a atribuição de a partir da pesquisa, pensar a criatividade, acessibilidade, a autonomia. Nós não temos alunos, educandos, mas nós temos usuários, clientes, PESSOAS, que precisam sobretudo da nossa postura de empatia.

Que nesse centenário, nós possamos conhecer e investigar um pouco mais a respeito da obra de Paulo Freire, para que nossa práxis de UX seja baseada na alteridade, na diversidade, na inclusão e sobretudo no desenvolvimento de autonomia!

Obrigada por ler até aqui. Esse texto é um diálogo introdutório, Educação é um tema apaixonante para mim… Se você também gosta, bora conversar e construir pontes:)

--

--

Ana Flávia

Uma antropóloga apaixonada por natureza, ciência e humanidades.